segunda-feira, 23 de abril de 2018

Um Impasse Mexicano?


De volta a 2013. Após algumas vitórias pontuais, a então “fervura” de processos judiciais entre Matias e Desalinho se arrefeceu, tornando-se uma mistura insossa e fria de atos processuais sem nenhum desfecho permanente.

Uma série de recursos tomou de assalto as instâncias superiores, e, assim, uma procissão, de joelhos, subiria as escadas dos tribunais brasileiros por anos, senão décadas.

Desalinho era devedora, no fim das contas, mas de apenas uma pequena fração do que lhe era cobrado. Todas as cartas estavam na mesa, e de certa forma, depois que as contas foram acertadas, ainda que provisoriamente, permaneceu inerte, aguardando o veredito final, e permaneceria  desse jeito se não fosse a derrocada econômica de Matias.

As disputas judiciais com o meu cliente acendeu o alerta dos parceiros comerciais de Matias, que começaram a desconfiar da lisura dos negócios e a obter também decisões judiciais desfavoráveis a ele. Um ciclo vicioso de derrotas, com teses e documentos sendo replicados nesses processos subsequentes, que comprovavam a má-fé e o modo de operação das trapaças de Matias e Henrique.

Matias colocou a arma na cabeça da Desalinho, contudo não poderia puxar o gatilho sem sair ileso. Isso é o que se chama de “impasse mexicano”, e que povoa os filmes americanos de faroeste.

Não tardou muito para que, enfim, Henrique entrasse em contato, flamejando para mim uma bandeira branca, numa tentativa desesperada de pôr fim ao bombardeio sofrido em todos os flancos e receber o que era devido logo. Marcamos uma reunião para o dia seguinte na casa de Matias, em vez do escritório da empresa. Essa era a única condição.

Avisei na sequência o novo representante do cliente sobre o início da tentativa de acordo, que não sabia do que se tratava. Da minha parte, era um alívio poder pensar em me livrar daquilo tudo, principalmente por causa do desinteresse que tomou conta com o passar do tempo, sem falar da baixa remuneração. Porém a história ganha um certo tom bizarro a partir daqui.


A casa de Matias é um verdadeiro palacete, e muito bem localizada em São Paulo. Havia lá empregados diversos para a manutenção da casa e a prestação de serviços domésticos, e até uma secretaria, que o auxiliava em pequenas tarefas, por exemplo, para usar o celular e preencher uma agenda, um daqueles cadernos compridos de capa preta.

A secretaria nos guiou da porta até uma sala enorme, onde o representante destacado da Desalinho e eu aguardávamos a audiência.

Na sala, um relógio enorme de madeira marcava 4:14 horas, com o pêndulo parado, todavia. Parecia alguma espécie de relíquia, que se somava a pinturas diversas na parede e a outros móveis cujo preço incluísse talvez valores históricos. Tudo disposto de maneira aleatória, como em um museu itinerante, prestes a zarpar. Não sei se mirei muito a escrivaninha, ou se isso fazia parte do guia de visita, mas a secretaria explicou, pacientemente, a história do luxuoso móvel, refeito a partir da porta da casa de alguém ilustre, que viveu há muitos séculos. De fato, depois percebi que a mesa possuía um certificado emoldurado sobre a procedência, algo mesmo de exagerada pompa para se ostentar na sala de casa.

Passados alguns minutos, finalmente os anfitriões nos receberam. Matias vestia um robe, como um desses milionários caricaturados, parecia o Sr. Burns. Nesse momento deixei escapar um sorriso, a cena era bastante cômica. Ainda bem que o sorriso provavelmente foi interpretado como sinal de cordialidade. Cumprimentei Matias e Henrique, e todos nós entramos em uma espécie de sala de reuniões improvisada com equipamentos médicos.

Matias logo propôs um acordo rápido, que favorecia ambas as partes, como um desabafo, ao mesmo tempo que tentava manter o ar de arrogância costumeiro. Henrique era lacônico, como um réu confesso. O acordo era parte da tentativa de Matias salvar o próprio legado, e quando o representante da Desalinho recusou a proposta, pôs-se a contar sobre a parte gloriosa de sua epopeia ao Brasil. Nada disso mudou o número previamente calculado por analistas e aprovado pelos escalões competentes da Desalinho.

A parte podre das histórias de Matias surgiu em um momento mais reservado, em reuniões seguintes, em que discutíamos como promover um acordo que fosse mais benéfico à Desalinho, indiferente aos apelos do, agora visivelmente, moribundo. Como a velhice estava sendo cruel a Matias. Uma dessas doenças degenerativas lhe corroía impiedosamente o corpo, a sanidade e os reflexos, à medida que o palacete era depenado e mutilado por dentro pelos credores.

Com o impasse no acordo, cada vez mais as reuniões se transformavam em confessionários. Depois de um tempo, embora injustificáveis, as paranoias, a maldade, a exploração alheia e a canalhice pareciam fazer sentido. Afinal, aquele império de outrora somente se manteve unido, em pé, por causa dessa fórmula maligna. Velho e doente, Matias não dispunha mais dos ingredientes necessários para manter tudo o que criou, tomou e reuniu intacto.

As reuniões se tornaram cada vez menos frequentes, até que Matias morreu, levando consigo a história sem furos. A notícia da morte chegou com a aceitação da proposta, por Henrique, quem enganou Matias, e cuja pena era cumprida pelo casamento com a filha do chefe, Margarida, uma pena perpétua, que abraçou voluntariamente.

Henrique, “o milionário”, recebeu muito dinheiro em nome de Matias e de sua família pelo acordo feito com a Desalinho, e continuou a viver a vida que sempre quis, dessa vez sem a sombra do sogro.

E, das prateleiras, os autos do processo foram encaminhados ao arquivo.

Dr. Honorários
Abril de 2018

sábado, 21 de abril de 2018

Viver de Blog é Possível?

Conforme falei neste post, a partir deste mês passarei a fazer o fechamento mensal em duas partes. Na primeira parte, intitulada Viver de Bolsa, apresentarei a evolução dos meus investimentos em Bolsa se Valores. Na segunda parte, intitulada Viver de Blog, apresentarei a evolução dos meus investimentos em sites. Sei que os nomes são um pouco apelativos, mas esta série "Viver De" é bem forte nos meios digitais, afinal já temos o Viver de Construção, Viver de Dividendos, Viver de Renda, Viver de Curso, Viver de Aluguel, Viver de Propina, etc...

Segundo o IBGE, a renda do trabalhador brasileiro diminui entre 2016 e 2017. De acordo com a PNAD Pesquisa Mensal por Amostra de Domicílios Contínua, o rendimento médio mensal real domiciliar per capita caiu 14 reais. Em 2017, o brasileiro recebia, em média, 1.271 reais contra 1.285 reais em 2016. Em 2017, as pessoas que tinham algum rendimento (de todas as fontes) recebiam, em média, 2.112 reais contra 2.124 reais em 2016. Ou seja, o trabalhador médio brasileiro vive com cerca de 650 dólares mensais considerando o câmbio atual.

Este valor mensal de renda do trabalhador brasileiro é bem diferente do trabalhador americano. Nos EUA, o trabalhador recebe por mês cerca de 3.714 dólares. Metade dos trabalhadores ganha acima deste valor e a outra metade ganha abaixo. Homens recebem em média 4.099 dólares e mulheres 3.332 dólares.Veja mais detalhes sobre o salário do trabalhador americano neste link. Este valor mensal do trabalhador americano é bem próximo, por exemplo, do trabalhador japonês que recebe em média 3.250 dólares por mês. Na Alemanha, este valor é de 3.096 dólares.

salarios de trabalhadores pelo mundo

Salários dos trabalhadores no mundo. Fonte: Trading Economics

Considerando então que o trabalhador brasileiro vive em média com 650 dólares mensais e considerando também que mais de metade dos trabalhadores brasileiros recebe menos do que este valor médio, podemos concluir que metade desta população ativa poderia esta vivendo de blog. Ok, Ok, aproximação bem esdrúxula esta, não faria sentido dizer para estas pessoas: pare de trabalhar e crie um blog! Afinal, isto acabaria com a economia do país. Mas a grande questão que fica é: até que ponto vale a pena largar seu emprego de salário miserável e investir na criação de sites?

Esta é uma questão que não tem resposta única. Cada pessoa tem uma realidade de vida. Grande parte das pessoas hoje em dia seque possuem uma internet de qualidade nas suas residências. Conhecimentos mais aprofundados de informática também não são de domínio geral. De qualquer forma, digo que é algo factível, principalmente considerando que alcançar uma renda média mensal de 640 dólares com um site não é nada de outro mundo. Inclusive você pode conseguir isto sem deixar seu emprego atual, basta dedicar umas duas horas do seu dia para esta empreitada.

A partir deste, mês passo então a divulgar em detalhes minha evolução renda proveniente dos meus sites/blogs. Não divulgarei valores absolutos, mas quem já me acompanha há algum tempo sabe que recebo um valor mensal considerável com meus sites. Valor este que cresce a cada dia. Esta é a mágica: rendimentos crescentes ano a ano. Investir em um site é como investir em uma empresa, é uma atividade empreendedora, muito diferente de uma atividade assalariada. Você é dono do seu negócio, tem liberdade para criar o que quiser, e receberá 100% pelos seus esforços.

Estatísticas dos Sites

 

Em março, o Abacus Liquid registrou 1.033.496 visualizações de páginas. Um aumento de 258% em relação ao mesmo período do ano passado:

viver de blog vale a pena

Nos últimos 12 meses, o Abacus Liquid registrou 3.932.649 visualizações de páginas.

viver de blog

Em março, o Web Informado registrou 294.073 visualizações de páginas. Um aumento de 225% em relação ao mesmo período do ano passado:

viver de site

Nos últimos 12 meses, o Web Informado registrou 1.518.742 visualizações de páginas.


Somando os três blogs (Abacus Liquid, Web Informado e este blog que vos escreve), o total de visualizações de páginas em março foi de 1.339.569. Considerando os últimos 12 meses, o total de visualizações é de 5.595.391.

Viver de Renda de Blog

 

Atualmente preciso de cerca de 2 mil dólares para viver. A palavra mais adequada seria "sobreviver". Não estão incluídos neste valor gastos com viagens, troca de automóvel, e outras coisas digamos assim "supérfluas". Incluo aí contas a pagar, despesas médicas, alimentação, moradia, transporte básico, despesas com instrução bem como as despesas para manutenção dos sites. Portanto, precisaria receber mensalmente um valor médio mensal de cerca de 3 mil dólares já considerando o imposto de renda de 27% e alguma margem de segurança. Este é um valor que levarei alguns anos para atingir, mas acredito ser perfeitamente factível. No gráfico abaixo apresento a evolução dos proventos brutos dos sites em relação aos meus gastos nos últimos 12 meses.


O acumulado de proventos brutos médios em 12 meses equivale a 67,4% dos gastos médios dos últimos 12 meses. Em tese, poderia "viver de blog" caso este valor fosse de 200%. Considero uma margem de 100% acima dos gastos, suficiente para pagamento de impostos sobre rendimentos e para sobras mensais a título de reinvestimentos.

sábado, 14 de abril de 2018

Ranking dos Blogs de Finanças

Tenho visto por aí, nos blogs da finansfera, vários comentários a respeito da qualidade dos blogs. Muitos leitores estão reclamando do nível dos assuntos publicados pelos blogueiros. Alguns leitores já desistiram de acompanhar os blogs da finansfera brasileira e agora acompanham apenas os blogs da finansfera americana. A pergunta que surge é: nossa finansfera está morrendo?

Ao fazer o levantamento do ranking dos blogs de finanças do primeiro trimestre de 2018, pude notar alguns números nada animadores. Apesar do número de blogs em atividade ter aumentado bastante nos últimos meses (tenho cadastrado 220 blogs), a grande maioria deles caiu no ranking ou sequer está ranqueada.

Comparando o último levantamento realizado em janeiro com o levantamento realizado hoje, 79 blogs caíram de posição no Alexa Rank sendo que 90 blogs nem estão ranqueados atualmente. Sabemos que nossa finansfera é muito amadora se comparada com a finansfera americana. O que comprova isto é a grande quantidade de blogs sem domínio próprio. Enquanto que na finansfera americana, 100% dos blogs possuem domínio registrado, aqui na nossa finansfera o percentual não passa de 5%.

http://abacusliquid.com/best-finance-blogs/

Acredito que a falta de conhecimento dos blogueiros é um dos pontos que contribui para a baixa relevância da nossa finansfera. Outro fator que prejudica a finansfera brasileira é o desaparecimento dos blogueiros mais experientes. Nesta semana, em conversa por Skype com o colega blogueiro Economicamente Incorreto, estava discutindo sobre isto. Ele mesmo me confidenciou seu caso que vai de encontro à minha percepção. Me disse que seu grau de interesse por um assunto gira em torno de 4 anos. Isto é, durante algum tempo da sua vida, estudou e publicou muitos artigos sobre investimentos, mas naturalmente o assunto se esgotou e hoje direcionou seu foco para outros interesses.

Isto é algo que ocorre na vida de todo mundo, o ser humano, assim como tudo na natureza, tem a vida composta de ciclos. Mas o que afasta os blogueiros mais experientes da finansfera, na minha forma de ver, é justamente o amadorismo dos blogueiros. Algo que não ocorre na finansfera americana, já que lá se fala muito em independência financeira e os próprios blogs são um tijolo para a construção deste objetivo. Como são todos profissionais, os mesmos se constituem como um ativo financeiro do blogueiro, capaz de gerar renda "semi-passiva".

Digo "semi-passiva" porque a manutenção de uma blog exige esforço. Não é como comprar um fundo imobiliário e ficar só esperando o aluguel cair na conta todo mês. Ter um blog é um trabalho como outro qualquer, a grande diferença é que você é dono dele, e é a melhor forma de sucessão patrimonial que eu conheço. Quando você morre, a sua herança é tributada pelo governo. Isto não ocorre com um blog. Quando eu morrer, meu filho irá herdar 100% da renda proveniente dos meus sites, com tributação zero nesta transferência de ativos.

Ranking da Finansfera 1T2018

 

Nas primeiras 7 posições do ranking, não tivemos novidades: os blogueiros mais bem posicionados no ranking mantiveram suas posições. Além disto, todos eles conseguiram subir no indicador Alexa Rank.

3 nos blogueiros estão agora no top-10: Ele Não Surfa Nada, Resenha Virtual e Corey Investidor. Outros blogueiros que subiram no ranking foram: Investidor Inglês, Aposente aos 40 e Além da Poupança.

O blogs mais bem posicionados que caíram no ranking foram: Pobre Poupador, Viver de Renda, Blog d'Uó, Investidor de Risco, Buscando o Primeiro Milhão, KB Investimentos Senhor Bufunfa e Seu Madruga.

Este blog que vos fala é um exemplo do que ocorre na finansfera. Na medida em que posto menos por aqui e tenho menos engajamento com os leitores, meu posicionamento vai caindo no ranking.

Em vermelho estão os blogs que saíram do ranking. Em azul estão os blogs que entraram. Tivemos 33 blogs saindo e 28 blogs entrando no ranking. Portanto, o saldo negativo para a nossa finansfera. Vamos ver se melhora daqui três meses.

sábado, 7 de abril de 2018

Viver de Bolsa é Possível?

A partir deste mês, passo a chamar o fechamento mensal de "Viver de Bolsa". Na verdade, farei dois posts mensais de fechamento aqui no blog, um relacionado aos meus investimentos em bolsa de valores e outro relacionado aos meus projetos digitais. Este outro post chamarei de "Viver de Blog". Até então, vinha postando os dois assuntos em um único post chamado Fechamento Mensal, mas como os projetos digitais cresceram muito, superando o projeto da bolsa, então achei coerente separar os dois assuntos.

Continuo também fazendo o fechamento mensal de mercado no Abacus Liquid. Lá o nome é "Carta Mensal aos Cotistas", leia aqui o post deste mês. O objetivo desta "carta" é trazer aos leitores um panorama geral dos indicadores econômicos do mês que fechou. Além disto, trago alguns assuntos político-econômicos de maior relevância no mês anterior, bem como resumos de análises de analistas renomados do mercado financeiro. É uma espécie de trabalho de curadoria, objetivando trazer ao leitor as notícias mais relevantes do mês que passou.

Rentabilidades


A rentabilidade geral dos meus investimentos em março de 2018 foi de -0,92%. Esta rentabilidade engloba todo o meu patrimônio financeiro, incluindo investimentos em corretoras, dinheiro de poupança para gastos imediatos bem como os resultados de day-trade e hedge de carteira. No histórico iniciado em janeiro de 2013, a rentabilidade geral está em 38,49%.


Enquanto o IBOV teve alta de 0,01% em março, minha carteira de ações teve queda de -4,15%. No ano, o índice sobe 11,73% e minha carteira de ações cai -2,02%.


Enquanto o IFIX teve alta de 2% em março, minha carteira de FIIs subiu 4,08%. No ano, o índice sobe 5,89% e minha carteira de FIIs sobe 7,62%.

Proventos


Neste mês de março, o dividend yield das ações foi de 0,21% e dos FIIs foi de 0,68%. O dividend yield geral foi de 0,4%. O dy médio das ações está em 0,30% e dos FIIs em 0,95%. O dy médio geral está em 0,63%. Abaixo é apresentado o gráfico histórico de proventos.


Alocação de Ativos 


Hoje tenho 55,3% de ações, 36,2% de FIIs, 3,6% de caixa, 4,7% de poupança e 0,2% de criptomoedas.


O percentual alocado na renda fixa se manteve em 8,5%. A alocação em ações subiu de 50,1% em fevereiro para 55,3% em março. A alocação em FIIs caiu de 41,3% em fevereiro para 36,2% em março.

 

Day-Trade 


Março foi um bom mês para o day-trade. Realizei 16 operações day-trade com mini-índice participando de 11 pregões. Operei 1 mini-contrato em cada operação tendo obtido resultado positivo em todas operações. O total bruto alcançado foi de 1.244 reais como mostra a planilha de registro de operações abaixo.


Abaixo o gráfico de acumulação histórica.


Nesta minha jornada de "operador day-trade", passei por diversas fases emocionais e técnicas. No gráfico você pode notar 6 fases distintas, sendo elas:

Fase 1 - Empolgação: Esta é a fase inicial de todo trader. Ele entra empolgado no mercado pensando que a coisa é fácil. No início obtém altos lucros mas em compensação amarga grandes perdas. Opera loucamente gastando enormes quantias de dinheiro com taxas e corretagens. Apesar de ser uma fase totalmente ineficiente, talvez seja a etapa mais importante na vida de todo trader, pois é neste período que ele levará as maiores pancadas e despertará para a realidade do mercado. O mais importante nesta fase é não quebrar, se passar ileso terá grandes chances de se perpetuar no mercado. Mas estatísticas não oficiais dizem que mais de 90% dos tentantes não passam desta fase.

Fase 2 - Provação: Para quem passou da maluca fase inicial, vem o próximo nível que é o momento de provação. Neste tempo, o trader começa a se perguntar se ele deu sorte de passar pela fase 1 ou se realmente tem traquejo para a coisa. Aqueles que tiveram sorte na fase 1 irão sucumbir nesta etapa. Mas aqueles que possuem um pouco mais de controle emocional e técnica irão conseguir passar para a etapa 2.

Fase 3 - Medo: Aquele trader destemido da primeira fase e aquele trader pensativo da fase 2 agora da lugar para o trader cauteloso. Estou falando isto pois passei por todas estas fases. Neste momento, ele não sabe mais se continua ou não com a empreitada. Mesmo tendo passado sem se machucar muito na etapa 1 e ter evoluído a técnica e o emocional na etapa 2, agora ele simplesmente tem medo do mercado. Na verdade, ele não quer perder o que já ganhou até o momento, e isto acaba limitando seu operacional. Ele não irá perder dinheiro, mas em contrapartida não irá ganhar. 

Fase 4 - Inflexão: Chega o momento em que o trader tem que decidir se quer ou não continuar no mercado. Até aqui ele já passou por três etapas. A primeira etapa em que ganhou muito dinheiro mas perdeu tudo e mais um pouco.A segunda etapa em que passou a perder menos e evoluiu técnica e psicologicamente. E a terceira etapa em que passou a ser tão cauteloso que não conseguia mais operar. Neste momento, a decisão é ir para cima ou desistir de vez. Agora você passa a deixar as operações andarem, o medo está dando lugar à coragem. Mas aquele trader destemido e maluco da fase 1 não existe mais. O racional passa a falar mais alto que o emocional.

Fase 5 - Preparação: O medo deu lugar ao prazer de operar novamente. Aquela satisfação de boletar que todo trader tem no início, passa a fazer sentido. Tudo está entrando nos eixos como preparativo para a próxima fase que é a da consistência. A técnica está apurada e o emocional está equilibrado. Basta então estruturar bem o plano de trade e estabelecer um marco para colocar o planejamento em execução. Claro que algumas dúvidas, receios e medos ainda existem. Não é fácil se livrar dos fantasmas. Mas o prazer e a adrenalina de ver uma operação em andamento supera tudo.

Fase 6 - Consistência: Finalmente você se sente seguro e preparado para operar no mercado. Não existe mais aquele sentimento limitador "não posso perder". Você sabe que perder faz parte do processo, dois passinhos pra frente, um passinho pra trás. Sabe que devagar se vai ao longe. Sabe também que seguindo o plano não tem como dar errado. E o mais importante: agora você é mais esperto que você mesmo, isto é, sabe que seu inimigo é você mesmo, e para se proteger de você mesmo, já ligou na corretora e pediu para limitar o número de contratos disponíveis para operação, rs. Agora é pagar DARF todo mês, nunca sentiu tanta satisfação em pagar imposto para o governo.

Gráfico Viver de Bolsa


Antes de mais nada, preciso dizer que não tenho a mínima pretensão de viver de bolsa, viver de trade ou qualquer outra modalidades de "vivência" de mercado financeiro. Encaro as operações em bolsa, sejam elas de curto ou médio prazo, apenas como uma forma de rentabilizar melhor meu capital. 

Outra coisa que é fundamental ter em mente: se você está entrando no mercado financeiro agora, seja para fazer trade ou para investir no buy-and-hold, projetar que irá pagar suas contas com rendimentos do mercado financeiro é motivo número 1 para a coisa não dar certo.

"A melhor forma de não dar certo no mercado é precisar dele."

Portanto, encare este título "Viver de Bolsa" apenas como uma alegoria, isto é, uma forma de apresentar uma ideia da forma justamente oposta à realidade apresentada. Para fins didáticos é funcional, mas para fins práticos desencorajo totalmente.

No gráfico abaixo, apresento, na barra em azul, o total dos meus proventos mensais. Na barra laranja, apresento o total dos meus gastos mensais. Na linha verde apresento a relação entre os proventos e os gastos. Por exemplo, no mês passado, o que recebi do mercado correspondeu a 38,9% do que gastei.


No cálculo dos proventos, além dos aluguéis de FIIs, dividendos, JSCP e BTC de ações, considerei também os valores obtidos nas operações day-trade com derivativos. Ou seja, todo dinheiro que consegui "extrair" do mercado. Como este dinheiro é um recurso que não necessito para pagar minhas contas, todo o valor recebido foi reaplicado no próprio mercado através da compra de ações e FIIs. A mágica do mercado é esta: reaplicar nele mesmo tudo aquilo que você conseguir extrair, desta forma, a bola de neve irá só aumentar.

sábado, 24 de março de 2018

Seus Informes de Rendimentos para IR Já Chegaram?

Este ano estou um pouco atrasado nas atividades de preenchimento do programa de ajuste anual do imposto de renda. Na verdade estava esperando todos os informes de rendimentos chegarem (desculpa). Como os Correios estavam em greve, então preferi aguardar mais um pouco. Vai que chega um informe perdido depois que eu tenha entregue a declaração não é mesmo? Isto já aconteceu comigo algumas vezes, não caí na malha fina, mas o risco existe.


Durante os meses de fevereiro, março e abril fico observando a papelada chegar aqui em casa. São tantos envelopes que fico até a sensação de ser uma pessoa muito rica, rs. Noto que o agente escriturador do Bradesco é mais sensato ao enviar o informe. Ele manda apenas uma cartinha contendo todos os ativos. Já o agente escriturador do Itaú parece ser sócio de alguma empresa de papel e celulose, ele simplesmente me mandou 25 folhas de informes, uma para cada ação:

Itaú
Totvs
Minerva
Estácio
Embraer
Natura
Transmissão Aliança
Fras-le
Ultrapar
Sulamérica
Fibria
Engie
AES Tietê
Cemig
Suzano
Metal Leve
SLC
Porto Seguro
CCR
Excelsior Alimentos
Grendene
Alupar
Linx
Gaec Educação
Ouro Fino

Além desta papelada de ações, recebi também uma pacote repleto de informes de FIIs. Bom, agora é sentar e arregaçar as mangas da camisa para preencher as fichas do programa. Começo pelo da minha esposa que é mais simples. Apesar dela também ter ações e FIIs na sua carteira, é mais fácil preencher pois não há operações de day-trade com índice e dólar no seu CPF. Logo em seguida faço a minha declaração, a do meu pai e finalmente a da minha irmã.

Caso você tenha alguma dúvida em relação ao preenchimento do IR, deixo abaixo alguns tutoriais sobre o tema. Neste período recebo centenas de perguntas nestes posts, mas não estou conseguindo mais responder por falta de tempo. Por isto criei um grupo no Facebook onde estão cadastrados muitos contadores que estão respondendo perguntas, se você tiver alguma dúvida poste lá. O endereço é este: facebook.com/groups/impostoderendarestituicao/

Como Consultar Imposto de Renda

Como Declarar Imposto de Renda